Você é o visitante de nº:

Siga-me:

segunda-feira, 26 de julho de 2021

VOTO IMPRESSO AUDITÁVEL: SIM OU NÃO?

A antiga discussão sobre a segurança das urnas eletrônicas avançou na Câmara dos Deputados com a instalação da comissão especial que analisa a PEC sobre a mudança no processo de votação; saiba quais são os pontos positivos e os negativos.


SIM: SE FOR A FAVOR          NÃO: SE FOR CONTRA








VANTAGENS E DESVANTAGENS SEGUNDO ESPECIALISTAS

VANTAGENS: Possibilidade de auditar as cédulas em caso de questionamento dos resultados,  mais segurança, visto que qualquer sistema computacional, por mais seguro que seja, tem vulnerabilidades, e mais tranquilidade ao eleitor, que passaria a conferir o voto.

DESVANTAGENS: gastos estimados em R$ 2,5 bilhões para adaptar as impressoras às urnas, segundo cálculos do Tribunal Superior Eleitoral, os atrasos que a impressão dos votos poderia causar ao processo de votação, e a possibilidade de quebra do sigilo do voto.

A escolha é livre! É um direito de todo cidadão!

Fonte: TSE

sexta-feira, 23 de julho de 2021

TODAS AS PESSOAS VACINADAS DA COVID MORRERÃO EM 2 ANOS?

Postagem veiculando nas redes sociais afirma que que todas as pessoas vacinadas morrerão dentro de 2 anos.

A notícia teve origem de uma entrevista publicada em maio deste ano, pelo site BRIDGENIT (Consciousness Of Economics – Ministry Of Consciousness – Red Road Society), que traduzido significa: "Consciência da Economia – Ministério da Consciência – Sociedade Da Estrada Vermelha".

A postagem veiculada diz que o virologista ganhador do Nobel, Luc Montagnier confirmou que não há chance de sobrevivência para pessoas que receberam qualquer forma da vacina. Na entrevista chocante, o virologista líder do mundo afirmou sem rodeios: "Não há esperança nem tratamento possível para aqueles que já foram vacinados. Devemos estar preparados para cremar os corpos," diz.

O gênio científico apoiou as afirmações de outros virologistas eminentes depois de estudar os ingredientes da vacina. "Todos morrerão por aumento dependente de anticorpos. Isso é tudo o que pode ser dito.

Assista ao vídeo aqui da divulgação original: COVID Vaccinated People Within 2 Years : BRIDGENIT (coe-llc.com)


Segundo o site OGLOBO, Luc Montegnier não deu tal declaração. E o próprio veículo que divulgou a entrevista fez um desmentido sobre o caso, PORTANTO É:

Relata ainda que o cientista, de fato, deu uma entrevista polêmica com premissas falsas como a de que a vacinação em massa cria variantes e agrava a pandemia. Porém, e, nenhum momento ele afirmou que todos os imunizados morrerão nos próximos dois anos. UFA!

"Ativistas de mídia social estão espalhando um boato cruel de que o Prêmio Nobel afirmou que aqueles que tomam a vacina contra o coronavírus estarão mortos em dois anos. A deturpação total da declaração do prof. Montagnier veio depois que ele revelou que a vacina contra o coronavírus está ‘criando variantes’. Não está claro se o boato foi iniciado como uma tentativa cínica de desacreditar o prof. Montagnier ou se foi feito para enfatizar o perigo da vacina."

De qualquer forma, o Prêmio Nobel não disse tal coisa”, informou o próprio veículo que divulgou a entrevista.


Fonte: https://coe-llc.com/ e https://oglobo.globo.com/fato-ou-fake

quinta-feira, 8 de julho de 2021

COM QUEM FICAM OS FILHOS EM CASO DE SEPARAÇÃO?


Diante dos encontros e desencontros dos casais, é de extrema importância saber COM QUEM FICAM OS FILHOS, visto que essa decisão irá refletir ao longo de toda a vida do menor. 

É preciso saber sobre esse assunto para que todos os envolvidos nessa relação saiam saudáveis.

Dizer "SIM" em um casamento é muito rápido, mas, ninguém espera um futuro divórcio conturbado. Com o tempo as pessoas mudam e o compromisso de que “ATÉ QUE A MORTE O SEPARE” tem deixado de ser realidade. Mas, uma realidade que não muda são os filhos. ESSES SÃO PARA SEMPRE.

1) COM QUEM FICAM OS FILHOS APÓS A SEPARAÇÃO?

É bem comum ouvir casos em que, após o fim de um relacionamento amoroso, a mãe ficou com a guarda dos filhos. Porém, engana-se quem pensa que essa é a regra. Após o divórcio, ou a dissolução da união estável (entenda a diferença entre esses termos aqui), há o questionamento de com quem ficam os filhos. Fato é que não existe uma resposta exata para essa pergunta, visto que os menores podem ficar com a mãe, com o pai e até mesmo com outros parentes. CADA CASO É UM CASO.

EXEMPLO: crianças de pouca idade, GERALMENTE FICAM SOB A GUARDA DA MÃE, porque os tribunais entendem que há uma maior dependência materna por parte da criança nesses anos iniciais. Não significa que isso seja regra geral. Por outro lado, no caso de filhos adolescentes (idade acima de 12 anos) entende-se que já não há mais tanta necessidade do colo da mãe. Então, leva-se em consideração a manifestação de vontade do filho.

A decisão final será oficializada de acordo com os interesses do menor. Isto é, considera-se o ambiente onde seja possível um crescimento e desenvolvimento saudável do filho. Nesses casos, o rompimento familiar, as mágoas, os aborrecimentos e as brigas devem ser deixados de lado. Afinal, ninguém quer causar traumas na criança, correto? 

Por isso os pais não podem simplesmente escolher com quem ficam os filhos, visto que cada pode desejar a permanência deste e criar um ciclo de desentendimentos. Assim, a decisão é de uma terceira pessoa que não perdure para nenhum dos lados e avalie a situação de acordo com o bem-estar do menor.

2) TIPOS DE GUARDA

Quando um relacionamento chega ao fim, e existem filhos envolvidos, a guarda desses torna-se um grande debate judicial. O juiz, acompanhado de um profissional especializado em Direito de Família, irá analisar as condições domiciliares de cada genitor e decidirá com quem ficam os filhos. No Brasil, existem três tipos de guarda:

– GUARDA COMPARTILHADA: é o tipo de guarda preferencial no Brasil. Nos termos dela, o filho mora com um dos pais, mas o outro tem direito a visitas/convívio e a COMPARTILHAR DAS DECISÕES sobre a vida do menor.

– GUARDA ALTERNADA: é bem recorrente no Brasil. Nela, o filho mora com os dois pais, alternando entre as duas casas. AMBOS OS PAIS CONVIVEM COM O MENOR E COMPARTILHAM DAS DECISÕES sobre a vida da criança.

– GUARDA UNILATERAL: Raramente utilizada. Segundo a regra, o filho mora com um dos pais, e o outro TEM DIREITO APENAS A VISITA, não compartilhando das decisões sobre a vida da criança.

3) POSSO PERDER A GUARDA DO MEU FILHO?

Logo após a sentença de com quem ficam os filhos, o responsável pela guarda considera essa responsabilidade como vitalícia. Porém, isso não é regra. A saber, existem casos em que o outro genitor ou outro responsável – os avós, por exemplo – também requerem a guarda do menor. Excluindo as situações em que a criança sofra maus-tratos dos pais ou quando qualquer outro direito previsto na Constituição Federal é ferido, o responsável atual não perde a guarda. Além disso, o poder econômico não é motivo para que haja a mudança de com quem ficam os filhos.

4) CUIDADO PARA NÃO CAIR NO ERRO DA ALIENAÇÃO PARENTAL

Quando se é decidido com quem ficam os filhos, muitos pais esquecem de separar os problemas que têm entre eles da sua relação com os menores. Com isso, acabam exercendo atitudes negativas que prejudicam o relacionamento.

EXEMPLO: é comum observar casos em que os genitores falam mal do (a) ex-companheiro (a) para a criança ou o adolescente, na ânsia de desfazer o laço afetivo entre os dois ou até mesmo manipular psicologicamente. Esse é um exemplo de alienação parental.

Independente de com quem ficam os filhos, é preciso considerar o bem-estar da criança e evitar essas práticas negativas à formação psicológica e afetiva.

5) PENSÃO ALIMENTÍCIA É DIREITO DE QUEM FICA COM OS FILHOS

Algumas pessoas pensam que somente o pai tem a obrigação de pagar o valor da pensão alimentícia combinado. Mas não se engane! Normalmente, o pedido do benefício parte daquele que possui a guarda da criança, seja a alternada, a compartilhada ou a unilateral.

Ainda que os tipos de guarda possuam diferentes regimes de convivência, direitos e deveres para com os filhos, o pagamento da pensão alimentícia é o sustento do menor. Desse modo, os pais não podem nutrir um relacionamento amargo. Em suma, a decisão de com quem ficam os filhos não pode ser motivo para o não pagamento da pensão. Nesse caso, estamos falando sobre o desenvolvimento e bem-estar do menor, não sobre desentendimentos do casal.

6) UM ADVOGADO É ESSENCIAL PARA TE AJUDAR

Sem dúvida, todo e qualquer assunto que envolva o futuro das crianças é um desafio a ser pensado e decidido cuidadosamente. Por isso, é altamente aconselhável que você busque a ajuda de um advogado de família nesse momento delicado.

Afinal, decidir com quem ficam os filhos demanda orientação e análise profissional, já que é preciso balancear as questões legais e sentimentais envolvidas.